Influência de banho de imersão com babosa, Aloe barbadensis (Miller, 1768) sobre os parâmetros hematológicos e monogenoidea parasitos de pacu Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887)

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Influência de banho de imersão com babosa, Aloe barbadensis (Miller, 1768) sobre os parâmetros hematológicos e monogenoidea parasitos de pacu Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887)

Mostrar registro completo

Título: Influência de banho de imersão com babosa, Aloe barbadensis (Miller, 1768) sobre os parâmetros hematológicos e monogenoidea parasitos de pacu Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887)
Autor: Figueredo, Aline Brum
Resumo: Este estudo avaliou a influência de banhos de imersão com extrato de babosa, Aloe barbadensis (Miller, 1768), a 10 ml.L-1 sobre os valores hematológicos e parasitológicos de pacu Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887). Cinqüenta e quatro peixes com comprimento total médio de 6,61 ± 0,40 cm e peso médio de 5,39 ± 0,74g foram acondicionados em seis caixas plásticas de 30 L cada, equipadas com filtro biológico e aeração constante. A aclimatação durou sete dias, e em seguida estabeleceram-se três tratamentos com duas repetições cada, sendo eles: T1 - animais com lesões corporais e tratados com babosa, T2 - animais com lesões corporais não tratados com babosa e T3 - animais sem lesões não tratados com babosa. Diariamente, pela manhã, administrava-se o extrato de babosa, sendo feita a renovação de 75% da água do tanque 12 horas depois. Após sete dias de tratamento, seis animais de cada unidade experimental foram coletados para punção sanguínea e análise da contagem total de eritrócitos, trombócitos e leucócitos, e contagem diferencial de leucócitos. Retirou-se também os arcos branquiais para contagem de parasitos. A quantidade de parasitos nas brânquias não apresentou diferença significativa entre os tratamentos. Quanto aos valores hematológicos, em relação ao número total de leucócitos, a média do grupo T1 não diferiu (p<0,05) do T2. Porém, estas médias mostraram-se maiores do que a do T3. Em relação aos trombócitos, T2 não apresentou diferença significativa em relação aos demais, porém, T1 mostrou média maior que o T3. A média de linfócitos foi menor no T3, e a média de neutrófilos maior grupo T3 em relação ao T1. O número de monócitos foi significativamente maior no T3. O número de eritrócitos não apresentou diferença entre os tratamentos.
Descrição: TCC (graduação em Engenharia de Aquicultura) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, 2011
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/120963
Data: 2011


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
295319.pdf 289.6Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar