Mais ou menos músicos: juventude e modos de relação com a música

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Mais ou menos músicos: juventude e modos de relação com a música

Mostrar registro completo

Título: Mais ou menos músicos: juventude e modos de relação com a música
Autor: Silva, Áurea Demaria
Resumo: O objetivo deste trabalho foi compreender como os jovens constroem modos de relação com a música, a partir de uma investigação sobre trajetórias de aprendizado musical de jovens músicos profissionais e em processo de formação. Buscou-se dialogar nesta pesquisa com questões e problemas em debate entre os estudos sobre Juventude e Educação, tais como: i) o não reconhecimento, no convívio entre jovens e adultos no espaço escolar, das referências identitárias que os/as jovens constroem em esferas de socialização e sociabilidade para além da escola; ii) a constatação de que há pouco incentivo de políticas culturais e educacionais para o desenvolvimento de atividades artísticas e culturais que mobilizam a juventude; iii) a crise que afeta as instâncias tradicionais de socialização (família, escola) nas sociedades contemporâneas. O eixo teórico da pesquisa foi construído a partir da literatura sobre o tema juventude e música ? Arroyo (2007), Dayrell (2005), Durand (2000), Hikiji (2006), Nascimento (2005), Reguillo (2000), Willis et al. (1996) ? bem como a partir de autores campo da sociologia da educação e da cultura ? Bourdieu (1983), Campos (2007), Charlot (2001), Pais (2003) e Sposito (2003) ? e da literatura do campo dos estudos culturais, da etnomusicologia e da educação musical. Na etapa empírica foram entrevistados oito jovens músicos ? quatro jovens músicos em formação, com idades entre 14 e 19 anos, e quatro músicos profissionais, com idades entre 22 e 28 anos. O instrumento utilizado na coleta dos dados foi a entrevista semiestruturada individual. As entrevistas foram gravadas, transcritas e transformadas em um material textual no qual foram empregados os procedimentos de codificação e categorização, que são técnicas utilizadas na análise de conteúdo. A categorização do material seguiu os temas abordados nas entrevistas: trajetória de aprendizado musical, usos das mídias e a música como atividade profissional. A análise desenvolvida permitiu concluir que os jovens músicos entrevistados, ao longo das suas trajetórias, tiveram acesso a uma diversidade de contextos de formação musical, sendo mais frequentes os espaços não formais e informais de educação, e os espaços de educação formal por sua vez, menos frequentes. Entretanto, observou-se que as instituições tradicionais de socialização (família, escola, Igrejas) desempenharam um papel importante nas trajetórias de aprendizado musical dos jovens, possibilitando em alguns casos os primeiros acessos ao saber musical, e em outros a continuidade do aprendizado, até a profissionalização. <br>
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2013.
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107336
Data: 2013


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
319252.pdf 3.376Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar