Disputas de identidades: a nacionalização do ensino em meio aos ítalo-brasileiros (1900-1930)

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Disputas de identidades: a nacionalização do ensino em meio aos ítalo-brasileiros (1900-1930)

Mostrar registro completo

Título: Disputas de identidades: a nacionalização do ensino em meio aos ítalo-brasileiros (1900-1930)
Autor: Virtuoso, Tatiane dos Santos
Resumo: Neste trabalho busca-se perceber, por meio da Sociologia e da História Cultural, as lutas de representações que envolveram a comunidade escolar ítalo-brasileira do extremo sul catarinense nas primeiras décadas do século XX. Essas lutas estabeleceram-se a partir da inserção de imigrantes europeus em solo brasileiro. A investida imigratória intencionava, especialmente, o branqueamento da população e a construção de uma nação inspirada nos padrões europeus. Porém, inerente às subjetividades do imigrante italiano estava a sua cultura. Nas colônias do extremo sul, marcadas pela predominância étnica italiana, a prática da italianidade era passada de pai para filho. A precariedade do ensino público no Brasil favoreceu a inserção, nas regiões colonizadas pelos imigrantes europeus e seus descendentes, de escolas subsidiadas pelos respectivos países de origem. As chamadas escolas italianas, localizadas no sul catarinense, recebiam subsídios da Itália por meio de dinheiro e livros, bem como de visitas e inspeções de autoridades italianas. Na cidade de Urussanga será instalada, no início do século XX, a "Inspetoria das Escolas Italianas do Sul do Estado de Santa Catarina em Urussanga". Essa inspetoria, encarregada por gerenciar as escolas italianas instaladas em solo catarinense oferecerá à cidade visibilidade estadual e nacional. Para entender essa trama, buscou-se vestígios da comunidade escolar ítalo-brasileira em jornais de época, na documentação escolar, nas fontes orais, na legislação vigente à época, nos discursos e relatórios governamentais italianos e brasileiros, nos livros escolares utilizados nas escolas italianas, entre outras fontes. Por meio desse rastreamento, percebeu-se que uma das grandes preocupações dos gestores das escolas italianas estava relacionada à falta de qualificação do corpo docente. A dificuldade de encontrar pessoas qualificadas para essa função estava aliada à realidade das colônias, nas quais constatou-se a existência de um alto grau de analfabetismo. Com isso, foram percebidas algumas iniciativas que objetivavam a formação docente e entre elas destaca-se a "Escola Preparatória de Urussanga", instituída em 1917, em comum acordo entre Consulado Italiano e governo brasileiro. A aparente diplomacia estabelecida entre os Estados brasileiro e italiano para a instalação dessa escola, que seguiria dois currículos (brasileiro e italiano), fora abalada frente ao Decreto 1.063 de 1917, que explicitava a proibição aos governos municipais de subvencionar escolas cujo ensino não fosse ministrado exclusivamente em português. Assim, evidencia-se um acirramento entre as lutas de representações que começam a ganhar a atenção do governo estadual a partir de 1911, quando teve início a política nacionalizadora de assimilação progressiva e o Estado catarinense entrou oficialmente em uma disputa simbólica, impondo os símbolos nacionais brasileiros em detrimentos aos italianos. This work seeks up realizing, through the Sociology and Cultural History, the struggles of representations involving the school community ítalo-brasileira from the extreme south of Santa Catarina state in the early decades of the twentieth century. These struggles have been established from the integration of the European immigrants in Brazilian soil. The immigration invested had an especially intent to become the population "white" and the construction of a nation based on the European standards. However, the inherent subjectivity of the Italian immigrant was their culture. In the south colonies, which were marked by the ethnic Italian prevalence, this practice of italianidade was passed from father to son. The precariousness of public education in Brazil favored the inclusion, in regions colonized by European immigrants and their descendants, schools subsidized by their home countries. So therefore, it were emerged the Italian schools, located in south of Santa Catarina state. These schools received subsidies from Italy, through money and books, as well as visits and inspections of Italian authorities. In the city of Urussanga will be installed at the beginning of the twentieth century, "the Inspection of the Italian schools in the south of Santa Catarina in Urussanga." This inspection is responsible for managing the Italian schools installed on catarinense soil and it will offer to the city, state and national visibility. To understand the plot, it were sought up vestiges of the italo-brasileira community school, in newspapers from that decade, in the school documentations, in oral sources, in the current legislation, in Italian and Brazilian government speeches and reports, in schoolbooks used in Italian schools, among other sources. Through this screening, it was realized that one of the major concerns of the Italian schools managers was related to the lack of qualifications from the faculty. The difficulty of finding qualified persons for this function was combined with the reality of colonies, where there was, a high degree of illiteracy. In consequence, it was perceived the development of some initiatives that aimed to teacher training, among them it was detached, the "Escola Preparatória de Urussanga", established in 1917, by the mutual agreement between Italian Consulate and the Brazilian government. The apparent diplomacy between the Brazilian and Italian states to the installation of this school, that would follow two curriculums (Brazilian and Italian), had been affected by the 1.063 decree from 1917, which pointed the municipal governments prohibition to subsidize schools whose education was not taught exclusively in Portuguese. Thus, it has been proven an exacerbation among the representation struggles that became gaining attention from the state government since 1911, when the government starts the national policy of gradual assimilation, and Santa Catarina state officially enters into a symbolic dispute, imposing the Brazilian national symbols against the Italians.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/106627
Data: 2008


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
252386.pdf 1.234Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar