As Faces da violência que sofrem os jovens de classes populares atendidos pelo Projeto Frutos do Aroeira

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

As Faces da violência que sofrem os jovens de classes populares atendidos pelo Projeto Frutos do Aroeira

Mostrar registro completo

Título: As Faces da violência que sofrem os jovens de classes populares atendidos pelo Projeto Frutos do Aroeira
Autor: Melo, Maíra Ribeiro
Resumo: O Trabalho de Conclusão de Curso, aborda a realidade de Crianças e adolescentes, autores de atos infracionais que participam do Projeto Frutos do Aroeira e as suas relações com as violências a que foram e estão submetidos, desde a fase da infância até o período atual. Para tanto, foram realizadas entrevistas com os jovens que participam do Projeto e que estão em cumprimento de medida sócio-educativa de meio fechado de Semi-liberdade ou por encontrarem-se em risco de vida em suas comunidades de origem. Os jovens entrevistados relatam suas experiências de vida em relação a seus familiares, à escola, comunidade, à entrada no trabalho ilegal, além dos atos infracionais praticados, e suas tentativas de mudança e projetos de futuro. Buscou-se, sempre dar voz a esses sujeitos que muitas vezes não são reconhecidos e vivem o estigma de serem considerados, pela sociedade e pelo senso comum, como #marginais# ou #delinqüentes#. Este estudo verifica que o Estado, a partir da Constituição Federal de 88 e com a promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n° 8.069/90), é o maior responsável pela implementação da Doutrina de Proteção Integral à Criança e ao Adolescente, conforme determina as referidas legislações. Porém, a partir dos relatos dos entrevistados, percebe-se que este mesmo Estado que deveria garantir direitos, é o maior responsável pelo seu descumprimento e consequentemente é o maior violentador de tais direitos, deixando os jovens assim, a mercê dos mais variados tipos de violência, conforme se verifica nas analises e vivendo dentro de uma realidade que não oportuniza possibilidades e perspectivas, que não à do trabalho no mercado ilegal, como questão de sobrevivência
Descrição: TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio Econômico, Curso de Serviço Social.
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/119618
Data: 2008


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
284863.pdf 1.016Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar