Propriedades térmicas, mecânicas e estabilidade de filmes de pectina cítrica e poli(4-estirenossulfonato de sódio)

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Propriedades térmicas, mecânicas e estabilidade de filmes de pectina cítrica e poli(4-estirenossulfonato de sódio)

Mostrar registro completo

Título: Propriedades térmicas, mecânicas e estabilidade de filmes de pectina cítrica e poli(4-estirenossulfonato de sódio)
Autor: ANDREANI, Larissa
Resumo: O interesse pelo estudo de polímeros e pela obtenção de novos materiais, resultantes da mistura física de dois ou mais polímeros, tem aumentado nos últimos anos. Tendo isso em vista, no presente trabalho foram preparadas e analisadas as propriedades térmicas, mecânicas e espectroscópicas de filmes formados pela mistura física de pectina cítrica e poli(4-estirenossulfonato de sódio) (PSS) com adição ou não de plastificante (sorbitol). Os dados obtidos por calorimetria exploratória diferencial indicam miscibilidade parcial entre o PSS e a pectina, com a diminuição das temperaturas de transição vítrea (Tg) das misturas comparadas com a dos polímeros puros. Nos filmes com sorbitol houve o surgimento de uma nova Tg relacionada ao sorbitol e devido à presença de diferentes eventos térmicos nas blendas, não se observou nenhuma alteração significativa na Tg comparada com as blendas sem adição de sorbitol. Nos resultados de termogravimetria observou-se que a adição de PSS aumentou proporcionalmente a estabilidade térmica da pectina, enquanto a presença de sorbitol teve um efeito contrário. Na espectroscopia de infravermelho foi possível observar que ocorreram interações entre a pectina e o PSS, entretanto com a adição de sorbitol não se observou alterações significativas. O espectro infravermelho a várias temperaturas demonstrou que a degradação do filme acontece através da cisão de ligações fracas. Os ensaios mecânicos indicam que com o aumento da quantidade de PSS ocorre uma diminuição no módulo de Young (elasticidade) em relação ao filme de pectina puro diminuindo, portanto, a rigidez do sistema. A água tem um efeito plastificante nos filmes com sorbitol, aumentando a elongação da amostra e diminuindo seu módulo de elasticidade. O estudo da morfologia mostrou que os filmes com os componentes pectina, PSS e sorbitol são mais homogêneos quando comparados com filmes contendo apenas dois dos componentes acima. Os resultados sugerem que blendas de pectina/PSS/sorbitol podem ser aplicadas em embalagens ou coberturas de alimentos. A utilização de pectina como matéria-prima, além de baixar o custo do produto final devido a sua abundância principalmente no Brasil, tem característica biodegradável e não é tóxica. 1
Descrição: TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências Físicas e Matemáticas. Curso de Química.
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105223
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização Descrição
Larissa_Andreani.pdf 639.7Kb PDF Visualizar/Abrir PDF

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar