Gravidez na adolescência: uma construção social /

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Gravidez na adolescência: uma construção social /

Mostrar registro completo

Título: Gravidez na adolescência: uma construção social /
Autor: Ferreira, Mariza Spanghero
Resumo: Neste trabalho propõe-se estudar a gravidez na adolescência, por meio dos relatos da vivência desse período, realizadas por dois casais, na faixa etária compreendida entre 14 e 19 anos. Utilizando o método do estudo de caso, vale-se de entrevistas semi-estruturadas, aplicadas a esses dois casais, a seus pais e a dois profissionais da saúde. Investiga se a educação sexual recebida na família e na escola promove a apropriação do conceito de contracepção. Nesse sentido, as reflexões valorizam a participação masculina e feminina na concepção, privilegiando a relação do casal como espaço de investigação dos significados da prevenção. Em relação à faixa etária investigada, busca compreendê-la num dado contexto sociocultural e por isso relativizada em cada cultura e em cada segmento de uma mesma cultura. Por essa ótica, este estudo considera a gravidez na adolescência uma construção coletiva e parte do pressuposto de que os adolescentes se constituem nas relações sociais estabelecidas em um momento histórico, fazendo parte de uma rede de relações intergeracionais. Dada a complexidade do tema e do próprio fenômeno da adolescência, a pesquisa buscou reunir a perspectiva de várias ciências, entendendo só assim ser possível dimensionar alguns aspectos dessa complexidade. Dessa forma, busca apoio da Psicologia, da Antropologia, da Educação e da Saúde. As reflexões decorrentes desta análise permitiram verificar que a gravidez na adolescência é, na atualidade, um fenômeno que protagoniza as contradições sociais e familiares do momento ao qual está conectado, sendo o adolescente um dos agentes, entre tantos outros, dessa construção que é cultural e histórica. Constata ainda que, embora haja um esboço de mudança no que diz respeito à educação sexual dos filhos, ainda prevalece o estilo tradicional que se reduz à mera advertência e "alerta" para os riscos que preocupam os pais. Assim sendo, permite-se observar que não se trata de uma educação sexual propriamente dita. A inclusão dos pais dos adolescentes no estudo, embora difícil, contribuiu para iluminar algumas questões de gênero que perpassam pela relação dos casais e apontam para novos modos de cuidar dos filhos.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas.
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/79278
Data: 2000


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
174056.pdf 1.699Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar