Perfil epidemiológico de crianças internadas em UTI neonatal e UTI pediática do Hospital Infantil Joana de Gusmão (SC)

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Perfil epidemiológico de crianças internadas em UTI neonatal e UTI pediática do Hospital Infantil Joana de Gusmão (SC)

Mostrar registro completo

Título: Perfil epidemiológico de crianças internadas em UTI neonatal e UTI pediática do Hospital Infantil Joana de Gusmão (SC)
Autor: Quintino, Jéssica Chagas
Resumo: Introdução: No âmbito da Unidade de Terapia Intensiva, estudos que visam traçar o perfil epidemiológico da população internada, representam um importante indicador de qualidade dos serviços, permitindo o aprimoramento no manejo dos pacientes. É com base nas informações geradas por estudos epidemiológicos que os profissionais podem ampliar seu domínio de atuação na saúde pública, assim como justificar suas ações no desenvolvimento de estratégias. Objetivo: Traçar o perfil epidemiológico de crianças internadas em UTI neonatal e pediátrica do Hospital Infantil Joana de Gusmão, SC. Metodologia: Estudo do tipo transversal, retrospectivo. A população foi constituída de sujeitos de 0 a 12 anos, assistidos na UTI neonatal e pediátrica do Hospital Infantil Joana de Gusmão entre maio de 2013 a maio de 2014. A obtenção de dados foi realizada por meio de análise dos prontuários após a aprovação do comitê de Ética em pesquisa da instituição. Resultados: O perfil demográfico revelou a prevalência de crianças do sexo masculino (63,1%) e a faixa etária entre sete meses e três anos (28,5%), sendo a maioria procedente de outras regiões de Santa Catarina (85,7%). Quanto ao perfil das internações, as causas clínicas sobressaíram (54,7%), sendo a média de tempo das internações de 18 dias, havendo 29 indicações cirúrgicas. A causa de maior morbidade foram as doenças cardiovasculares e as de maior mortalidade, as doenças do sistema respiratório, sendo a pneumonia a principal ocorrência. Observou-se um número pequeno de encaminhamentos à fonoaudiologia (8). O número de óbitos foi relevante em relação a outros estudos. Conclusão: Revela-se a prevalência do sexo masculino e da faixa etária que compreende os menores de 5 anos sendo a procedência predominante de outros municípios de Santa Catarina (85,7%). A especialidade que mais se destacou foi a pediatria geral e a maioria das indicações cirúrgicas foi de devido as malformações congênitas. Houve um número maior de internações por causas clínicas, sendo que o tempo médio de internação foi de 18 dias. A prevalência para a causa de maior morbidade foram as doenças cardiovasculares, já para a causa de maior mortalidade foram as doenças respiratórias. Observou-se um número pequeno de encaminhamentos à fonoaudiologia.
Descrição: TCC - (Graduação) Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Fonoaudiologia.
URI: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/133451
Data: 2015-06-29


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
TCC - Jéssica Chagas Quintino.pdf 1.181Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar