(Im)potência: considerações acerca do desejo na psicanálise e na esquizoanálise

DSpace Repository

A- A A+

(Im)potência: considerações acerca do desejo na psicanálise e na esquizoanálise

Show full item record

Title: (Im)potência: considerações acerca do desejo na psicanálise e na esquizoanálise
Author: Bogo, Fabio Henrique Medeiros
Abstract: O debate metapsicológico sobre a noção de desejo implica necessariamente uma reflexão sobre duas dimensões em aparente oposição: a noção de falta e a de mobilização para a produção ou articulação de um novo estado de coisas. A teoria psicanalítica tem no desejo um de seus conceitos fundamentais, já presente no cerne das obras introdutórias de Sigmund Freud, e o compreende como um desdobramento inalienável da teoria da castração e do recalcamento. Em contrapartida, a esquizoanálise de Gilles Deleuze e Félix Guattari toma de empréstimo um conjunto de articulações lógicas alternativo, especialmente de B. Spinoza, com fins de caracterizar o desejo como um princípio ontológico produtivo que é remetido à falta apenas tardiamente. A partir da sinalização de uma ideia de inconsciente-Real nos ensinos derradeiros da psicanálise lacaniana busca-se estabelecer uma interlocução entre os dois conjuntos teóricos de modo a caracterizar adequadamente o limite de seu campo de convergência no que tange à compreensão fenomênica do desejo, sua estruturação linguística e o território subjetivo ao qual ele compete, em sua relação narcísica consigo e com a alteridade. Apontar-se-á a sustentação de uma ambiguidade temporal na filosofia da carne de Merleau-Ponty como possibilidade de superação deste dilema, além do questionamento quanto à legitimidade de se caracterizar como desejo o modo maquínico de produção extensamente investigado pelos esquizoanalistas.Abstract: The metapsychological debate about the conception of desire necessarily implies a reflection over two dimensions in apparent opposition: the conception of lack and that of the motion for the production or engendering of a new state of things. The psychoanalytical theory holds in desire one of its fundamental concepts, one already present in the core of Sigmund Freud?s introductory works, and understands it as an inalienable unfolding of the theories of castration and repression. On the other hand, the schizoanalysis of Gilles Deleuze and Felix Guattari borrows an alternative collection of logical articulations, especially from B. Spinoza, as a means to better characterize desire as a productive ontological principle, which is remitted to lack only belatedly. Based on the signaling of an idea of an unconscious-Real in the ultimate teachings of Lacanian psychoanalysis an attempt is made to establish a dialogue between the two theoretical groups in order to adequately characterize the limit of their field of convergence with regard to the phenomenal understanding of desire, its linguistic structuring and the subjective territory to which it competes, in its narcissistic relationship with itself and with otherness. The ongoing scaffolding of a temporal ambiguity in Merleau-Ponty?s philosophy of the flesh will be pointed out as a possibility to overcome this dilemma, in addition to the questioning of the legitimacy of characterizing as desire the machinic mode of production which was extensively investigated by the schizoanalysts.
Description: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2021.
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/226967
Date: 2021


Files in this item

Files Size Format View
PFIL0399-T.pdf 2.020Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Browse

My Account

Statistics

Compartilhar