Sentenças exclamativas em português brasileiro

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Sentenças exclamativas em português brasileiro

Mostrar registro completo

Título: Sentenças exclamativas em português brasileiro
Autor: Cunha, Karina Zendron da
Resumo: Esta tese insere-se no campo das interfaces da gramática e tem como objeto de estudo as sentenças exclamativas do português brasileiro (doravante PB), mais especificamente as exclamativas-wh com wh ?que?, ?como? e ?quanto? e as small clauses livres (SCLs). O objetivo desta pesquisa é responder algumas questões, entre as quais: (i) as sentenças exclamativas-wh e as SCLs são um tipo sentencial exclamativo ou um tipo ilocucionário apenas?; (ii) existem, no PB, diferentes tipos exclamativas-wh conforme o elemento-wh presente nelas?; (iii) existe mais de um comportamento entoacional para as sentenças exclamativas-wh do PB, dependendo do elemento-wh presente nelas?; (iv) existe mais de um comportamento entoacional para as SCLs do PB, dependendo da composição do predicado dessas sentenças?; (v) o comportamento entoacional de exclamativas-wh com ?que? (como ?Que inteligente esse menino!?) é semelhante ao comportamento entoacional das SCLs cujo predicado é composto por um adjetivo (como ?Inteligente esse menino??)?; (vi) os falantes/ouvintes de PB residentes em Florianópolis (SC) conseguem reconhecer a diferença entre o comportamento entoacional de uma sentença exclamativa e de uma sentença interrogativa produzida por um falante de PB, variedade florianopolitana, mesmo estando essas sentenças fora dos seus contextos de produção? Para alcançar nossos objetivos, fizemos uma discussão teórica a respeito das características semântico-pragmáticas, sintáticas e prosódicas desses tipos de sentenças e aplicamos alguns testes intuitivos, o que nos permitiu responder as questões (i) e (ii). Além disso, com o objetivo de investigar o comportamento entoacional dessas sentenças e responder às questões (iii), (iv) e (v), realizamos um experimento de produção de fala, cujos dados foram analisados quantitativamente. Para a análise da frequência fundamental, medida em Hertz e em Semitons, em quatro pontos-alvo das sentenças do nosso corpus, utilizamos o script MOMEL/INTSINT for PRAAT. Realizamos também dois experimentos de percepção, um com estímulos de fala filtrados (ou seja, apenas com informações tonais), com o objetivo de responder à questão (vi). Os resultados revelaram que, de acordo com o quadro teórico assumido, baseado em Zanuttini e Portner (2003), as sentenças exclamativas-wh são um tipo sentencial exclamativo, já as SCLs são um tipo ilocucionário apenas, uma vez que as SCLs não contêm, diferentemente das exclamativas-wh, uma estrutura-wh operador variável e o operador factivo. Além disso, no PB, assim como em outras línguas românicas, há dois tipos diferentes de exclamativas-wh, uma que ocorre apenas em exclamativas, associada aos elementos-wh ?como? e ?que+AP?, do tipo E-only, e uma que ocorre tanto em exclamativas quanto em interrogativas, associada aos elementos-wh ?quanto? e ?que+NP?, do tipo non-E-only. Em relação ao comportamento entoacional, os resultados do experimento de produção de fala revelaram que temos no PB três comportamentos diferentes para as exclamativas-wh, um para as com wh ?como?, outro para as com wh ?que? e um terceiro para as com wh ?quanto?. Da mesma maneira, encontramos três comportamentos entoacionais diferentes para as SCLs, um para as com predicado composto por ?muito+adjetivo?, outro para as com predicado composto por DP, e um terceiro para as com predicado composto por apenas um adjetivo. Além disso, concluímos que o comportamento entoacional de exclamativas-wh com ?que? é diferente do comportamento entoacional das SCLs cujo predicado é composto por um adjetivo. Os resultados do experimento de percepção, por sua vez, revelaram que os falantes/ouvintes de PB residentes em Florianópolis (SC) conseguem reconhecer a diferença entre o comportamento entoacional de uma sentença exclamativa e de uma sentença interrogativa produzida por um falante de PB, variedade florianopolitana, mesmo estando essas sentenças fora dos seus contextos de produção. As sentenças interrogativas tiveram uma porcentagem de respostas esperadas maior do que as exclamativas-wh e as SCLs, o que já era esperado, visto que as sentenças interrogativas-wh, ao contrário das exclamativas, apresenta apenas um comportamento entoacional. Além disso, as exclamativas-wh E-only, com ?como? e ?que+AP?, são mais reconhecidas como exclamativas do que as exclamativas-wh non-E-only. As SCLs cujo predicado tem a presença de um intensificador, ?muito+adjetivo? e DP, são mais reconhecidas do que as SCLs cujo predicado é composto por apenas um adjetivo.<br>Abstract : This dissertation is part of the grammar interfaces field and it has as its object of study the exclamative clauses in Brazilian Portuguese (BP), more specifically, the wh-exclamatives with wh 'que', 'como' and 'quanto' and free small clauses (FSCs). The aim of this research is to answer some questions, including: (i) Are the wh-exclamative and the FSCs an exclamative clause type or an illocutionary type?; (ii) Are there different types of wh-exclamative elements present in these kind of clause?; (iii) Is there more than one intonation pattern for wh-exclamatives in BP, depending on the wh-element present on them?; (iv) Is there more than one intonation behaviour for FSCs in BP, depending on composition of the predicate of these clauses?; (v) Is the intonation behaviour of the wh-exclamatives with 'que' (as Que inteligente esse menino! ) similar to FSCs whose predicate is composed by an adjective (as 'Inteligente esse menino!')?; (vi) Can the speakers/listeners of BP, residents from Florianópolis (SC), recognize the difference between the intonation behaviour of an exclamative clause and the intonation behaviour of an interrogative clause produced by a BP speaker, variety from Florianópolis, even if these sentences are out of their contexts of production? To achieve our goals, we discussed some theoretical issues related to the semantic-pragmatic, syntactic and prosodic characteristics of these types of clauses, and applied some intuitive tests, which allowed us to answer questions (i) and (ii). Moreover, in order to investigate the intonation behaviour of these clauses, and also to answer questions (iii), (iv) and (v), we carried out a speech production experiment whose data were analyzed quantitatively. For the fundamental frequency analysis, measured in Hertz and semitones in four target points of the clauses of our corpus, we used the MOMEL/INTSINT for PRAAT script. We also applied two perception experiments with filtered speech stimuli (i.e. only with tonal information), aiming to answer question (vi). According to the theoretical framework assumed in this dissertation, based on Zanuttini and Portner (2003), the results revealed that the wh-exclamative clauses is an exclamative clause type, and that the FSC is an illocutionary type only, since the FSCs do not present, unlike wh-exclamative, a wh operator-variable and a factive operator. Furthermore, in Brazilian Portuguese, as in other Romance Languages, there are two different types of wh-exclamatives in BP, one that occurs only in exclamative clauses, associated with the wh-elements como and que+AP , E-only type, and another one that occurs both in exclamative and in interrogative clauses. This last one is associated with the wh-element quanto and que+NP , the non-E-only type. As regards the intonation behaviour, the results of the speech production experiment showed that there are three different behaviours for the wh-exclamatives in BP. The first one for como , another one for que and a third one for quanto . Likewise, we found that there are three different intonation behaviours for the FSCs, one for the FSC with muito+adjective predicate, another one for DP predicate, and a third one adjective-only predicate. In addition, we conclude that the intonation behaviour of wh-exclamative with 'que' is different from FSCs whose predicate is composed by an adjective. The results of the perception experiment revealed that BP speakers/listeners, residents from Florianópolis (SC), recognize the difference between the intonation pattern of an exclamative clause and of an interrogative clause produced by a Brazilian speaker from Florianópolis, even though if these clauses are out of their production contexts. As it was expected, the interrogative clauses presented a percentage of expected responses greater than the wh-exclamatives and FSCs, since the wh-interrogative clauses, in opposition to the exclamative, exhibited only one intonation pattern. In addition, the E-only wh-exclamatives, with como and que+AP , are more recognized as exclamative than non-E-only wh-exclamatives. The FSCs, which predicate is composed of muito+adjective and DP are more recognized as exclamatives than the FSCs whose predicate is composed of only the adjective.
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2016.
URI: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/172264
Data: 2016


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
343191.pdf 7.841Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar