Regulação da embriogênese somática de araucaria angustifolia (Bert) O. kuntze pelo mecanismo redox

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Regulação da embriogênese somática de araucaria angustifolia (Bert) O. kuntze pelo mecanismo redox

Mostrar registro completo

Título: Regulação da embriogênese somática de araucaria angustifolia (Bert) O. kuntze pelo mecanismo redox
Autor: Vieira, Leila do Nascimento
Resumo: A Araucaria angustifolia é uma conífera subtropical nativa do Brasil. A sua intensa exploração nas ultimas décadas a levou a uma categoria de ameaça como espécie em perigo crítico de extinção pela IUCN. Assim, estratégias de conservação são requeridas, dentre elas destaca-se a possibilidade de emprego da embriogênese somática, como ferramenta biotecnológica para a multiplicação em massa. O protocolo de embriogênese somática para essa espécie encontra-se parcialmente desenvolvido junto ao Laboratório de Fisiologia do Desenvolvimento e Genética Vegetal do CCA/UFSC, sendo seu limitante o processo de maturação das culturas embriogênicas. Em outras espécies, foram descritas melhores taxas de formação e maturação de pró-embriões e embriões viáveis por meio da suplementação do meio de cultura com glutationa reduzida (GSH). Sabe-se também que o óxido nítrico (NO) atua como sinalizador em processos como a germinação de sementes e divisão celular, sendo, no caso da A. angustifolia, possivelmente, um dos responsáveis pela polarização dos pró-embriões. Dessa forma, o presente trabalho visou avaliar a influência da suplementação do meio de cultura semi sólido e suspensão celular de pré-maturação de culturas embriogênicas de A. angustifolia com glutationa reduzida (0,01; 0,1; 1; 5 mM), glutationa dissulfeto (0,1 mM) e butionina sulfoximina (0,1 mM) no conteúdo endógeno de NO, no NO extracelular liberado ao meio de cultura, nas características morfológicas, no conteúdo endógeno de poliaminas (PA) e no processo de maturação dos embriões somáticos. A suplementação dos meios de cultura de pré-maturação com GSH apresentou influência direta no conteúdo endógeno de NO e no desenvolvimento dos pró-embriões de A. angustifolia. Destacando os tratamentos com GSH (0,01 e 0,1 mM), que resultaram em um aumento de pelo menos 4x no número de pró-embriões formados. O tratamento com 5 mM de GSH na pré-maturação resultou na formação de embriões globulares com alto conteúdo endógeno de NO no ápice embrionário. No entanto, as culturas embriogênicas resultaram na formação de embriões torpedo anormais quando submetidas à maturação
Descrição: TCC (graduação em Agronomia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, 2011
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/120969
Data: 2011


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
294728.pdf 1.009Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar