Mães: sujeitos privilegiados para a prevenção do abuso sexual incestuoso

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Mães: sujeitos privilegiados para a prevenção do abuso sexual incestuoso

Mostrar registro completo

Título: Mães: sujeitos privilegiados para a prevenção do abuso sexual incestuoso
Autor: Borba, Fernanda Ely
Resumo: Este estudo tem por objeto a passividade materna diante do abuso sexual incestuoso. Objetivou-se propor estratégias eficazes de prevenção à violência sexual intrafamiliar, tendo como referência o progenitor não-abusivo, ou seja, a mãe, assim como fornecer subsídios para a intervenção de Assistentes Sociais e para a formulação de políticas sociais voltadas à garantia de direitos de crianças e adolescentes. A História de Vida foi o método de investigação privilegiado e a entrevista gravada e transcrita foi empregada como instrumento de coleta de dados. Foi realizado um levantamento bibliográfico para conhecimento do estado da arte do assunto estudado. As entrevistas gravadas resgataram a história de vida de mães de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual intrafamiliar, tendo-se como hipótese a possibilidade destas mães terem sido abusadas em sua infância e/ou juventude e não terem sido protegidas por um adulto. Esta é uma pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, cujo universo é composto por seis mães, e sua amostra é formada por três mães não-protetoras. Os resultados auferidos evidenciaram que: as mães não-protet p ras têm história de abuso sexual na infância e/ou adolescência: dão grande importância ao modelo de família tradicional evitando romper os laços familiares são membros de famílias em que valores e princípios religiosos são freqüentemente apontados e defendidos; acreditam que a conduta exemplar dos companheiros em relação às suas filhas é revelador de afeto; não dão crédito aos relatos de abuso sexual sofridos pela filha, tendo silenciado sobre a história de violação por longo tempo. As mães não são conhecedoras da lógica, das estratégias e do perfil de um abusador sexual intrafamiliar. Infere-se que a compreensão do fenômeno "passividade materna.' é fundamental para o estabelecimento de alternativas de prevenção e tratamento do abuso sexual intrafamiliar, levando-se em conta os direitos da criança e do(a) adolescente. É possível assim subsidiar a elaboração e implementação de políticas e programas sociais voltados à garantia de direitos, bem como a ação dos(as) Assistentes Sociais que intervêm junto ao abuso sexual intrafamiliar
Descrição: TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio Econômico, Curso de Serviço Social
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/118070
Data: 2004


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
287650.pdf 32.81Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar