Fatores de risco e proteção no processo de adaptação de criança à separação/divórcio dos pais em litígio judicial : um estudo de laudos psicológicos

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Fatores de risco e proteção no processo de adaptação de criança à separação/divórcio dos pais em litígio judicial : um estudo de laudos psicológicos

Mostrar registro completo

Título: Fatores de risco e proteção no processo de adaptação de criança à separação/divórcio dos pais em litígio judicial : um estudo de laudos psicológicos
Autor: Bonoto, Andréia Chagas Pereira
Resumo: A vivência da separação/divórcio ocorre de forma diferenciada em cada família, tendo maior ou menor impacto nas pessoas envolvidas dependendo de fatores econômicos, sociais, culturais, religiosos, além das redes de apoio que podem se estabelecer ou não. O presente estudo tem como objetivo caracterizar os fatores de risco e proteção no processo de adaptação de crianças a separação/divórcio dos pais em litígio judicial. Esta pesquisa é de natureza descritiva, com fonte documental e abordagem qualitativa. Foram utilizados laudos psicológicos como fonte de dados, como forma de aproveitar um documento com informações sobre as famílias que vivem a situação de litígio judicial, podendo gerar conhecimento científico através de dados já coletados. A amostra de documentos foi composta por 76 laudos psicológicos, datados no ano de 2011, provenientes de processos judiciais de nove Varas de Família do Poder Judiciário do Estado Santa Catarina. Os dados obtidos nos documentos foram organizados a partir de categorias elaboradas com base na revisão da literatura especializada. Verificou-se que homens e mulheres, na mesma proporção, buscaram por meio judicial garantir seus direitos e deveres em relação aos filhos. A guarda dos filhos foi atribuída principalmente às mulheres, mas com um terço sendo atribuída ao pai. Quanto à idade dos membros das famílias, os filhos tinham idade média feminina de 7,16 e idade média masculina de 7,84, com a maioria das mulheres (mães) encontrando-se na faixa etária entre 26 e 35 anos e a maioria dos homens (pais) entre 31 e 40 anos. Identificou-se que o relacionamento conflituoso é o principal padrão de relacionamento estabelecido entre os ex-cônjuges, apesar disso, o relacionamento entre crianças e pelo menos um dos genitores foi caracterizado como harmônico, na maior parte das vezes. Verificou-se que as crianças buscam estratégias saudáveis e não saudáveis de compreender e reagir às situações e emoções envolvidas no contexto de litígio dos genitores. Os fatores de proteção relativos à categoria fatores individuais (crianças) tiveram alta ocorrência em relação aos fatores de risco, sendo os mais citados: boa comunicação e competência cognitiva. A importância dos fatores intrafamiliares no risco para o processo de adaptação de crianças à separação/divórcio dos pais foi verificada nesta pesquisa, sendo os principais fatores de risco: conflito interparental, comunicação disfuncional e conflitos no exercício da parentalidade. A ocorrência de fatores de proteção na categoria fatores intrafamiliares indicou que mesmo as famílias em litígio judicial buscam preservar, de alguma forma, uma dinâmica familiar favorável ao desenvolvimento dos filhos. Os fatores de proteção da categoria fatores extrafamiliares foram predominantes em relação aos fatores de risco, sendo o principal a rede de apoio estabelecida em torno da família. A partir dos resultados alcançados, foi elaborado um roteiro de questões que pode guiar os profissionais que atuam com famílias em processo de separação/divórcio a avaliar o potencial de risco e proteção para o processo de adaptação de crianças. <br>Abstract: The experience of separation/divorce occurs in a different way in each family, with greater or lesser impact on the people involved, it depending on economic, social, cultural, religious, and support networks that can be established or not. The present study aims to characterize the risk and protective factors in the process of adaptation of children to separation/divorce of parents in litigation. This research is descriptive in nature, qualitative approach and source documents. Psychological reports were used as the data source as a way to make a document with information on families who live the reality of litigation, which can generate scientific knowledge through data already collected. The sample was composed of 76 documents psychological reports, dated in 2011, from nine lawsuits Family Courts of the Judiciary of the State of Santa Catarina. The data were organized in documents categories developed based on the literature review. It was found that men and women in the same proportion, sought through judicial guarantee their rights and duties in relation to children. The custody was mainly attributed to women, but with a third being assigned to the father. Regarding the age of the family members, the children had a mean age of 7.16 female and male average age of 7.84, with the majority of women (mothers) lying in the age group between 26 and 35 years and most men (parents) between 31 and 40 years. It was identified that the conflicted relationship is the main pattern of relationships established between the former spouses, despite this, the relationship between children and at least one parent was characterized as harmonic, in most cases. It was found that children look healthy and unhealthy strategies to understand and react to situations and emotions involved in the context of litigation from parents. Protective factors related to individual factors category (children) had high occurrence in relation to risk factors, the most cited: good communication and cognitive competence. The importance of intra-family risk factors for the adaptation of children to separation/divorce of parents was found in this study, the main risk factors: interparental conflict, dysfunctional communication and conflict in the exercise of parenting. The occurrence of protective factors in the category intrafamilial factors indicated that even families in litigation seek to preserve, somehow, a family dynamic favorable to the development of children. The protection factors of extra-familial factors were predominant category in relation to risk factors, the main being established support network around the family. From the results achieved, has drawn up a list of questions that can guide professionals working with families in the process of separation/divorce to assess the potential risk and protection for the adaptation of children.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2013
URI: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107237
Data: 2013


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
319567.pdf 997.3Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar