O significado paleoambiental de sequência pedossedimentar em baixa encosta: o caso dos paleossolos Monjolo - Lapa - PR

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

O significado paleoambiental de sequência pedossedimentar em baixa encosta: o caso dos paleossolos Monjolo - Lapa - PR

Mostrar registro completo

Título: O significado paleoambiental de sequência pedossedimentar em baixa encosta: o caso dos paleossolos Monjolo - Lapa - PR
Autor: Camargo Filho, Mauricio
Resumo: Na encosta Monjolo foram identificados depósitos organo-minerais, recobertos por material coluvial. Para identificar as características dessas unidades e compreender sua evolução e o ambiente no qual se formaram, foi efetuado o levantamento topográfico de semidetalhe (cotas de metro em metro); construídas toposseqüências na baixa encosta Monjolo; elaborado perfil sistemático em afloramento de voçoroca. Individualizadas e descritas as unidades pedossedimentares em perfil sistemático, foram coletadas amostras dessas unidades pedossedimentares para análises laboratoriais de: granulometria, densidade real, densidade aparente, porosidade total, teor de matéria orgânica, pH, química total, relação molecular, difratrogramas de raios X, micromorfologia e datação por 14C das unidades organo-minerais. A análise conjunta de dados laboratoriais e de campo determinou que as unidades organo-minerais tratam-se de paleossolos desenvolvidos em ambiente distinto das unidades coluviais. Assim, é possível considerar que o corpo pedossedimentar da baixa encosta Monjolo resulta de quatro fases evolutivas distintas: a primeira é caracterizado por intensa erosão; a segunda é responsável pela formação dos paleossolos que, apesar de disponibilidade de água no pedoambiente foi submetido a sucessivos estágios de ressecamento; a terceira caracteriza-se pela reduzida disponibilidade de água no sistema pedológico-sedimentar e pelas evidências de prolongados períodos de ressecamento, e na quarta são as condições ambientais vigentes. Nessas quatro fases evolutivas estão embutidos períodos, que definiram os limites das unidades e permitiram o reconhecimento de ciclos de mudanças pedossedimentares que caracterizam essas seqüências.
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Geografia
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102923
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
223712.pdf 7.409Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar