Avaliação da qualidade de pastas de microalgas produzidas em laboratório de larvicultura de moluscos no sul do Brasil

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Avaliação da qualidade de pastas de microalgas produzidas em laboratório de larvicultura de moluscos no sul do Brasil

Mostrar registro completo

Título: Avaliação da qualidade de pastas de microalgas produzidas em laboratório de larvicultura de moluscos no sul do Brasil
Autor: Nunes, Moira
Resumo: O presente trabalho teve como objetivo definir uma metodologia para a produção e armazenamento de pasta de microalgas. Os cultivos de microalgas foram realizados em tanques de fibra de vidro de 500 L, temperatura 20 2oC, meio de cultura F/2 de Guillard e iluminação contínua com intensidade de 203-234 µmol photons m-2 s-1. Na fase exponencial, as culturas foram centrifugadas a 2.800 rpm. Para verificar a qualidade das células de microalgas após a centrifugação e durante o armazenamento, foram realizadas análises utilizando o corante azul de Evan e variação do número de bactérias marinhas totais. Na pasta produzida foi aplicado tratamentos com e sem aditivo e esta foi distribuída em potes plásticos de 100 mL vedados, armazenada sob refrigeração a 4±1ºC. Os resultados indicaram que na pasta da espécie Chaetoceros muelleri a centrifugação não danificou as células e reduziu significativamente o número de bactérias marinhas totais de 2,9 x 106 para 8,3 x 105 UFC mL-1 . As pastas das microalgas C. muelleri e C. calcitrans, armazenadas com adição de 0,1% do aditivo Ácido Ascórbico, mostraram um tempo de prateleira inferior a 2 semanas. Para o tratamento sem aditivo, os resultados com o corante Azul de Evan indicaram que as células permaneceram viáveis (99%) até a sexta semana para a espécie C. muelleri, sétima para a Skeletonema sp. e oitava para a microalga C. calcitrans. Não houve incremento do número de bactérias durante o armazenamento da pasta para as espécies C. calcitrans e Skeletonema (p>0,05). Para C. muelleri, foi observado um incremento no número de bactérias (p<0,05) a partir da sexta semana. Este estudo demonstrou a viabilidade de produção e armazenamento de pastas de microalga, por um período de 6 a 8 semanas, permitindo ser utilizada como alimento, otimizando o uso das microalgas produzidas no laboratório.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Aqüicultura.
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102614
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
226222.pdf 673.4Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar