Alvin Plantinga e seu macroargumento contra o naturalismo

DSpace Repository

A- A A+

Alvin Plantinga e seu macroargumento contra o naturalismo

Show simple item record

dc.contributor Universidade Federal de Santa Catarina pt_BR
dc.contributor.advisor Dutra, Luiz Henrique de Araujo pt_BR
dc.contributor.author Koslowski, Adilson Alciomar pt_BR
dc.date.accessioned 2012-10-24T11:20:25Z
dc.date.available 2012-10-24T11:20:25Z
dc.date.issued 2012-10-24T11:20:25Z
dc.identifier.other 272754 pt_BR
dc.identifier.uri http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92699
dc.description Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2009. pt_BR
dc.description.abstract O objetivo desta tese é apresentar um macroargumento proposto por Alvin Plantinga contra o naturalismo (MCN). O MCN é constituído de: (1) Se um sujeito S é epistemicamente racional e consciente, então S escolhe apenas as crenças verdadeiras ou provavelmente verdadeiras; caso contrário S é irracional. (2) Os argumentos A1, ou A2, ou A3 são sólidos, sendo suas premissas verdadeiras ou provavelmente verdadeiras. (3) Logo, S é racional se crer em A1, ou A2, ou A3. (4) Se S crer em A1, ou A2, ou A3, então S tem um anulador para o naturalismo. (5) Logo, é irracional para S crer no naturalismo. Para sustentar o MCN, vamos utilizar fundamentalmente das argumentações do filósofo americano Alvin Plantinga (1993a, 1993b, 2000 etc.) contra o naturalismo. Os principais argumentos de Plantinga contra o naturalismo podem ser resumidos a três: A1 - Toda definição naturalista fracassa na análise de função apropriada: (P1) Nenhuma das definições puramente naturalistas de função apropriada é ou necessária ou suficiente. (P2) A única análise de função apropriada provavelmente correta é advinda do comprometimento com o teísmo cristão ou algo similar. (C) Logo, as definições puramente naturalistas são provavelmente falsas. A2 - Um sujeito comprometido com o naturalismo e a teoria da evolução (N&E) não pode ter nenhum conhecimento: (P1) Dado um sujeito, S, comprometido com N&E, sua confiabilidade cognitiva R de produzir crenças verdadeiras é provavelmente baixa ou inescrutável. (P2) Se R não é confiável, então as crenças de S são anuladas. (C) Se S tem um anulador para todas as suas crenças, S tem um autoanulador para N&E. A3 # Um cientista cristão não deve estar comprometido com o naturalismo metodológico, uma forma velada de naturalismo ontolontológicos naturalistas na ciência moderna. (P3) A ciência moderna tem uma estratégia de seleção materialista. (P4) O cientista cristão não é irracional em levar em conta suas crenças religiosas como possíveis hipóteses científicas. (P5) Segundo o naturalismo metodológico, é arbitrário defender um único modelo de fazer ciência. (P6) Dadas outras possibilidades de hipóteses, os cientistas cristãos podem optar por hipóteses como mais prováveis do que as dos cientistas não-cristãos. (C) É possível uma ciência fora do domínio do naturalismo metodológico. pt_BR
dc.description.abstract The aim of this thesis is to present Alvin Plantinga#s macro-argument against naturalism (MCN). MCN is put forward as follows: (1) If a subject S is epistemicaly rational and conscious, then S chooses only true or probably true beliefs; if not S is irrational. (2) The arguments A1 or A2 or A3 are sound. (3) Hence, S is rational if she believes either in A1 or A2 or A3. (4) If S believes in A1 or A2 or A3, then S has one defeater for naturalism. (5) Therefore, it is irrational for S to believe in naturalism. In order to maintain naturalism we will use fundamentally the arguments against naturalism by the American philosopher Alvin Plantinga (1993a, 1993b, 2000 etc.). Plantinga#s main arguments against naturalism can be reduced to three: A1 # every naturalistic, metaphysical definition fails in the analysis of proper function: (P1) no naturalistic definition of proper function is either necessary or sufficient. (P2) The only analysis of proper function probably correct stems from the commitment to Christian theism or something similar. (C) Therefore, pure naturalist definitions are probably false. A2 # A subject committed to naturalism and evolution theory (N&E) cannot have any knowledge: (P1) given a subject, S, committed to N&E, the cognitive reliability R of her producing true beliefs is probably low or inscrutable. (P2) If R is not reliable, then the beliefs of S are defeated. (C) If S has a defeater for all her beliefs, S has a defeater for N&E. A3 # A Christian scientist is not to be committed to methodological naturalism, a disguised form of metaphysical naturalism: (P1) the scientific activity is not neutral. (P2) There are naturalist, metaphysical presuppositions in modern science. (P3) Modern science has a materialistic strategy of selection. (P4) A Christian scientist is not irrational in taking into account her religious beliefs as possible scientific hypotheses. (P5) according to methodological naturalism it is arbitrary to defend a unique model of making science. (P6) Given other possibilities of hypotheses, Christian scientists can choose hypotheses as more probable than those of non Christian scientists. (C) A science independent of methodological naturalism is possible. en
dc.language.iso por pt_BR
dc.subject.classification Filosofia pt_BR
dc.subject.classification Naturalismo pt_BR
dc.title Alvin Plantinga e seu macroargumento contra o naturalismo pt_BR
dc.type Tese (Doutorado) pt_BR


Files in this item

Files Size Format View
272754.pdf 1.173Mb PDF Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account

Statistics

Compartilhar