Poder oligárquico, nacionalização de imigrantes e ensino público: modernização do ensino primário de Santa Catarina (1910 - 1930)

DSpace Repository

A- A A+

Poder oligárquico, nacionalização de imigrantes e ensino público: modernização do ensino primário de Santa Catarina (1910 - 1930)

Show full item record

Title: Poder oligárquico, nacionalização de imigrantes e ensino público: modernização do ensino primário de Santa Catarina (1910 - 1930)
Author: Nóbrega, Paulo de
Abstract: O presente trabalho propôs-se a verificar como a expansão da escola elementar pública catarinense na Primeira República pôde contribuir para a "adesão" das populações dos municípios às concepções de mundo e aos interesses das classes dirigentes do período. Ou, ainda, em terminologia gramsciana, de que maneira ela pôde contribuir para o processo de hegemonia, em que se promoveu a subordinação das classes subalternas à direção política e cultural das oligarquias dirigentes ao longo do período em estudo. Para tanto, investigou as políticas de modernização da instrução primária pública, especialmente nas décadas de 10 e 20 do século XX, quando a partir de 1911 foram criados os primeiros Grupos Escolares catarinenses, caracterizando, pela primeira vez no Estado, a presença da escola pública primária moderna: seriação dos conteúdos; homogeneização das turmas por faixa etária e grau de conhecimento; racionalização espacial e administrativa das escolas; implementação de certo método de ensino, nomeado à época "método intuitivo" ou "lição de coisas", que deveria ser desenvolvido com a reorganização da Escola Normal. De uma ênfase inicial dos governos na expansão da escola primária pública de tipo moderno - graduada e urbana, o Grupo Escolar -, passou-se a uma preferencial expansão das escolas isoladas rurais, especialmente nos núcleos coloniais, premidos pela urgência em nacionalizar as várias populações "estrangeiras", a partir do envolvimento do Brasil na Primeira Grande Guerra. Nacionalização particularmente desenvolvida em torno da questão do "perigo alemão", de sua exploração política, e no interesse dos governos na constituição por meio da escola de um "sentimento de nacionalidade" na sociedade brasileira em geral sob o ideal do "Estado-nação", de tendência conservadora e autoritária. A Igreja Católica exerceria no período grande ingerência nas questões do ensino público, tendo até mesmo várias de suas instituições escolares subsidiadas por recursos públicos. Em uma perspectiva gramsciana, a Igreja como uma organização da sociedade civil se constituía então como um "aparelho privado de hegemonia", a partir da aliança entre as elites dirigentes e os altos quadros da Igreja Católica. A afirmação de tais valores e práticas - nacionalistas e católicos, por exemplo - estabelecida no ambiente escolar por meio do currículo e dos programas cumpriria papel disciplinador e de constituição de um consenso que iria ao encontro dos interesses e das práticas políticas da época, em um sistema oligárquico fundado em relações pessoalizadas e de trocas de favores caracteristicas do coronelismo da Primeira República.
Description: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/88902
Date: 2006


Files in this item

Files Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account

Statistics

Compartilhar