Puerpério na atenção básica: as interfaces da assistência institucional e das práticas de cuidados de saúde

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Puerpério na atenção básica: as interfaces da assistência institucional e das práticas de cuidados de saúde

Mostrar registro completo

Título: Puerpério na atenção básica: as interfaces da assistência institucional e das práticas de cuidados de saúde
Autor: Mendes, Margarete Fernandes
Resumo: Nesta dissertação busca-se identificar as interações existentes entre os cuidados institucionais de saúde e as práticas culturais de cuidados no puerpério, a partir das percepções das próprias mulheres que vivenciam esse período. Trata-se de uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa, fundamentada em referenciais teóricos da saúde no contexto sócio-cultural, seus mitos e seus tabus no puerpério, e das políticas públicas de assistência à mulher. Foram entrevistadas l8 mulheres que vivenciavam o puerpério, entre o trigésimo e o quadragésimo dia, e que estavam sendo assistidas por uma equipe de uma unidade básica de saúde, composta por profissionais médicos, enfermeiras, dentistas, técnicos e auxiliares de enfermagem, agentes comunitários de saúde e profissionais administrativos. Os resultados da pesquisa foram analisados, seguindo a metodologia da análise do conteúdo, focando nos dados referentes ao puerpério, os quais foram agrupados em dois eixos temáticos, sendo: Cuidados Institucionais no Puerpério, com as categorias Cuidados Percebidos Pelas Mulheres e Cuidados Realizados Pelos Profissionais ; o segundo eixo temático, Práticas de Cuidados de Saúde no Puerpério, com as categorias Autocuidado e O cuidado com o Recém-nascido. Evidencia-se que, para a mulher, a relevância do atendimento institucional de saúde está na oportunidade de ter acesso aos métodos anticoncepcionais, para que possa exercer a sua sexualidade prevenindo-se de nova gravidez . Culturalmente, predominam os cuidados de higiene com o corpo da mulher/puérpera, associados às medidas de proteção onde as bênçãos, o uso de amuletos e a realização de simpatias são práticas comuns no processo de cuidar. As mulheres/puérperas são apoiadas por suas famílias, predominado a participação do marido e dos filhos mais velhos entre os cuidadores. O processo de análise e interpretação possibilita argumentos para que as normas e rotinas assistenciais e de serviços possam ser repensadas, para o desvelar desta etapa do processo do nascimento, no qual a mulher costuma ficar esquecida, contribuindo, assim, para as políticas públicas de Saúde da Mulher.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública.
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/84852
Data: 2003


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
195375.pdf 584.0Kb PDF Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar