O cooperativismo no setor da maricultura: estudo de caso da Cooperativa de Canto Grande (COOPERMAC), Bombinhas - Santa Catarina

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

O cooperativismo no setor da maricultura: estudo de caso da Cooperativa de Canto Grande (COOPERMAC), Bombinhas - Santa Catarina

Mostrar registro completo

Título: O cooperativismo no setor da maricultura: estudo de caso da Cooperativa de Canto Grande (COOPERMAC), Bombinhas - Santa Catarina
Autor: Diogo, Hugo Ricardo Lamas
Resumo: A aqüicultura, em geral, e a maricultura em particular, constitui tecnologias alternativas na produção de alimento, gerando empregos diretos e indiretos junto a comunidades de pescadores artesanais. O processo de crescimento e desenvolvimento das atividades aquícolas é apresentado sob um ponto de vista histórico da crise no setor pesqueiro, buscando transcender a dimensão produtivista. No Estado de Santa Catarina, o cultivo de mexilhões apresenta-se como alternativa viável na manutenção de pescadores em suas áreas de origem, gerando emprego, renda e contribuindo para a limitação dos processos de degradação dos ecossistemas litorâneos. Por outro lado, o crescimento da atividade gera problemas relacionados à qualidade do produto, ao beneficiamento, a comercialização, entre outros. O cooperativismo surge como instrumento de organização social e econômica para o setor produtivo, constituído por pequenos e médios produtores. Pelo histórico do cooperativismo, incluindo suas potencialidades e contradições, aponta-se para a necessidade de se avaliar seu papel na maricultura catarinense. Assim, o trabalho compreende um estudo de caso da Cooperativa de Maricultores de Canto Grande, Município de Bombinhas - Santa Catarina - onde foi realizada uma análise de sua gênese, expansão e das relações interinstitucionais, e da possibilidade de se converte-la em uma experiência piloto de maricultura orientada pelos princípios de ecodesenvolvimento. Foram aplicados questionários com os cooperados e diretores da cooperativa, bem como com profissionais e técnicos de agências de fomento e desenvolvimento nos setores da maricultura e cooperativismo. A constituição da Cooperativa foi caracterizada pela inconsolidação na comunidade, demonstrando baixo grau de participação social e capacidade administrativa, com dificuldades de comercializar o produto. Por outro lado, trouxe benefícios na geração de emprego para as mulheres e melhorias na qualidade ambiental local. Sob a ótica do ecodesenvolvimento, seria necessário alguns redirecionamentos para que a coopertiva possa se tornar uma estratégia viável de desenvolvimento alternativo de maricultura, destacando o acesso a processos decisórios, à participação comunitária, à autonomia e maior capacidade e conhecimento para aspectos sociais/participativos e produtivos/econômicos. Deste modo, não bastaria analisar o que têm ou não, e sim o que podem fazer ou não.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Aquicultura.
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/83329
Data: 2002


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
186489.pdf 263.0Kb PDF Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar