Produção de biopolímero de tipo (3-hidroxibutirato) por microrganismo recombinante em substratos de baixo custo: análise de possíveis alterações em parâmetros físico-químicos

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Produção de biopolímero de tipo (3-hidroxibutirato) por microrganismo recombinante em substratos de baixo custo: análise de possíveis alterações em parâmetros físico-químicos

Mostrar registro completo

Título: Produção de biopolímero de tipo (3-hidroxibutirato) por microrganismo recombinante em substratos de baixo custo: análise de possíveis alterações em parâmetros físico-químicos
Autor: Arruda, Juliana Carvalho de
Resumo: Neste trabalho foi produzido o poli(3-hidroxibutirato), P(3HB), por Escherichia coil recombinante carregando o plasmidio contendo os genes de Ralstonia eutropha (Alcaligenes eutrophus) para a síntese de poli(3-hidroxibutirato). Foram produzidos polímeros em dois meios de cultura distintos, um meio complexo (LB) tendo sido adicionada glicose como fonte de carbono neste meio, e um meio mineral complementado com fontes de carbono alternativas. Foram utilizados como fonte alternativa de carbono para a biossintese do polimero, óleo de soja e amido de milho hidrolisado hidrolisado, a fim de diminuir o custo da produção do biopolimero. Outro objetivo do trabalho foi verificar as possíveis alterações em algumas das propriedades fisico-quimicas dos polímeros produzidos por microrganismo recombinante utilizando substrato de baixo custo como fonte de carbono. A massa celular seca obtida foi 2,67g.L-1 para o meio mineral e de 2,23g.L-1 para o meio complexo, apresentando um acúmulo de polimero de 58% e de 61% respectivamente. Os valores da análise de calorimetria exploratória diferencial (DSC), obtidos para o potimero do meio mineral e para o do meio complexo, mostraram que o primeiro tem a estrutura cristalina mais definida que o segundo, e o segundo possui mais de uma forma de cristalização. A análise termogravimétrica (TGA) mostrou que ambos os polimeros só começam a degradar numa temperatura superior a 170 °C, e as temperaturas máximas de degradação são em torno de 319 °C, onde nesta temperatura ambos tiveram a maior perda de massa, 97,74% para o polímero do meio complexo e 80,46% para o polímero do meio mineral.
Descrição: TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Curso de Química.
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/83217
Data: 2003


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização Descrição
Juliana_Carvalho_de_Arruda.PDF 8.742Mb PDF Thumbnail PDF/A

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar