A voz da tradutora: paratextos em traduções de mulheres italianas nos séculos XVII e XVIII

DSpace Repository

A- A A+

A voz da tradutora: paratextos em traduções de mulheres italianas nos séculos XVII e XVIII

Show full item record

Title: A voz da tradutora: paratextos em traduções de mulheres italianas nos séculos XVII e XVIII
Author: Corrêa, Raquel Dotta
Abstract: Esta dissertação discute primeiramente a intersecção entre os Estudos Feministas/ de Gênero e os Estudos da Tradução, com base em teóricas feministas como Ria Lemaire (1994), Joan Scott (1986), Lori Chamberlain (1998) e Louise von Flotow (1997) entre outras, destacando o aspecto da ressignificação do trabalho tradutório de mulheres do passado e questionando, assim, a visão secular da tradução como uma tarefa secundária, quase invisível. Em um segundo momento, disserta sobre a inserção das mulheres italianas no meio literário, desde a passagem do completo silêncio de suas casas à alfabetização e à participação nos salões literários, local onde aconteciam as práticas de conversação, até a produção de textos e o ingresso na Accademia dell'Arcadia, uma das maiores academias italianas do século XVIII. Depois, mostra como a prática tradutória serviu como forma de participação no meio cultural para as mulheres naquela época. Apresenta a biografia e as obras de três tradutoras italianas que viveram entre os séculos XVII e XVIII: Maria Selvaggia Borghini, Eleonora Barbapiccola e Luisa Bergalli. Propõe também uma breve reflexão sobre a escolha dos autores e das obras que essas tradutoras escolheram traduzir, a fim de comprovar que elas atuaram como mediadoras culturais e colaboraram com a literatura da época. Por meio da tradução e comentário dos paratextos encontrados nas obras dessas tradutoras, procura finalmente destacar como elas usaram esse espaço paratextual para afirmar a sua voz enquanto sujeitos visíveis das traduções por elas realizadas.Questa tesi anzitutto spiega l'intersezione tra gli Studi Femministi/ di Genere e la Tradutologia attraverso le teorie femministe di Ria Lemaire (1994), Joan Scott (1986), Lori Chamberlain (1998) e Louise von Flotow (1997) tra le altre; e in seguito, dimostra il valore del lavoro di traduzione delle donne nel passato che ha aiutato a contrastare la visione secolare della traduzione come un fatto secondario, quasi invisibile. In un secondo momento, presenta l# ingresso delle donne italiane nella letteratura, con il passaggio dal completo silenzio delle loro case, all'alfabetizzazione e alla artecipazione nei salotti letterari, luoghi in cui avenivano le pratiche di conversazione, fino alla produzione di testi e all#ingresso nella Accademia dell'Arcadia, una delle più grandi accademie italiane del XVIII secolo. In seguito, mette in discussione la pratica della traduzione come veicolo di emancipazione e parità culturale per le donne. Presenta la biografia e le opere di tre traduttrici italiane che vissero tra le XVII e le XVIII secolo. Propone anche una piccola riflessione sulle scelte degli scrittori e delle opere che queste traduttrici hanno fatto per tradurre, con lo scopo di confermare che loro hanno fatto una specie di intermedio culturale e hanno collaborato con la letteratura dell#epoca. Attraverso la traduzione e alcuni commenti dei paratesti trovati nelle opere di queste traduttrici, cerca finalmente distaccare come loro utilizzarono questo spazio paratestuale per affermare la sua voce come soggetto delle sue traduzioni.
Description: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis, 2010
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/103252
Date: 2013-07-16


Files in this item

Files Size Format View
287197.pdf 12.69Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account

Statistics

Compartilhar