The Fog era a Jungian and post-Jungian interpretation of Dracula and its filmic version Bram Stoker's Dracula

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

The Fog era a Jungian and post-Jungian interpretation of Dracula and its filmic version Bram Stoker's Dracula

Mostrar registro completo

Título: The Fog era a Jungian and post-Jungian interpretation of Dracula and its filmic version Bram Stoker's Dracula
Autor: Silva, Ana Cristina Alves da
Resumo: Esta dissertação propõe uma interpretação Jungiana e Pós-Jungiana do romance Drácula, escrito por Bram Stoker, e sua versão cinematográfica Drácula de Bram Stoker de Francis Ford Coppola. Incluindo alguns aspectos do Romantismo, características de algumas narrativas de horror e o uso de conceitos Jungianos e pós-Jungianos, apresento uma proposta de um conceito teórico e crítico que decidi chamar de "Fog Era" (a Era da Bruma). Este conceito é essencialmente dinâmico e contém um aspecto seminal e imutável que faz com que seus elementos passeiem por diferentes contextos históricos e se readaptem, adquirindo novos contornos. A função proposta para a "Fog Era" é servir como uma ferramenta para análise de algumas facetas do horror, primeiro nas narrativas mencionadas e depois em outras narrativas analisadas brevemente. Na Introdução mostro os passos que devo seguir nos outros capítulos e que bases do Romantismo e fronteiras literárias devem limitar meu trabalho. No Capítulo I, item 1, mostro quais conceitos Jungianos uso para minha análise, bem como uma perspectiva mais contemporânea dos pesquisadores pós-Jungianos. No item 2, apresento o Romantismo em antagonismo com os valores Vitorianos e explico porque o conceito Jungiano da sombra é válido para dizer que os Vitorianos são a sombra dos Românticos. No item 2.1, o arquétipo da Mãe é usado para justificar o contexto em que as narrativas de horror foram criadas. No item 2.2, uma relação entre arquétipos e personagens é feita e será o suporte para a análise no próximo capítulo. O Capítulo II traz a análise completa da versão de Coppola, sendo que no item 1 mise-en-scène e caracterização são relacionadas com os conceitos Jungianos e o item 2 mostra a reiteração da análise e o novo contexto histórico do filme. O item 3 apresenta minha proposta de um novo conceito teórico para analisar as narrativas horror, chamada de "Fog Era". Na Conclusão revejo a teoria usada, confirmo as características e a utilidade da noção de "Fog Era". This thesis proposes a Jungian and post-Jungian interpretation of the novel Dracula, written by Bram Stoker, and its filmic version Bram Stoker's Dracula, directed by Francis Ford Coppola. With the inclusion of some aspects of Romanticism, characteristics of some horror narratives and the use of Jungian and post-Jungian concepts, I attempt at defining a new critical theoretical concept that I call the Fog Era. This concept is essentially dynamic and contains a seminal immutable aspect that makes its elements travel through different historical contexts and re-adapt themselves while acquiring new contours. The function proposed to the Fog Era concept is to serve as a tool to analyze some of the horror manifestations in the narratives mentioned above; at the same time, some other narratives are analyzed briefly. In the Introduction, I show the steps I will follow in the subsequent chapters and establish what basis of Romanticism and what literary boundaries will limit my corpus. In Chapter I, item 1, I show which Jungian concepts I need in order to develop my analysis, as well as a more contemporary and reviewed perspective of post-Jungian researchers. In item 2, I present aspects of Romanticism in antagonism with Victorian values and explain why the concept of shadow proposed by Jung is valuable to define the Victorians as the shadow of the Romantics. In item 2.1, the Mother Archetype is used to justify the context in which the horror narratives were created. In item 2.2, a relation is made among the archetypes and the characters present in the narratives, which will support the analysis for the next chapter. In Chapter II a full analysis of Coppola's filmic version is done: in item 1 the mise-en-scène and characterization are related to the Jungian concepts and in item 2, a reiteration of the analysis and the new historical context of the film. In item 3, I finally present my proposal of the new theoretical concept to analyze horror narratives, called the Fog Era. In the Conclusion, I review the theoretical frame used, and confirm the characteristics and usefulness of the Fog Era.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicão e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Letras/Ingles e Literatura Correspondente
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102343
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar