Gestão de desastres e política de assistência social: estudo de caso de Blumenau/SC

DSpace Repository

A- A A+

Gestão de desastres e política de assistência social: estudo de caso de Blumenau/SC

Show full item record

Title: Gestão de desastres e política de assistência social: estudo de caso de Blumenau/SC
Author: Santos, Rúbia dos
Abstract: Os desastres socioambientais variam de amplitude e intensidade de acordo com as condições de risco, vulnerabilidade social e capacidade de resposta do espaço socioterritorial onde ocorrem. Fruto, dentre outros fatores, da crise socioambiental vivenciada na atualidade e dos modelos de desenvolvimento, figuram-se como objeto de atenção estatal, especialmente nos últimos cinco anos, sob coordenação da Defesa Civil. Analisando a realidade brasileira, pode-se constatar que a Política pública que vem, constantemente, sendo chamada a dar respostas aos desastres é a Política de Assistência Social que se sobrecarrega especialmente nas fases de emergência e pós-impacto. Partindo desta constatação, este trabalho objetivou #analisar o Sistema de Gestão de Risco do município de Blumenau, buscando compreender como a Política Pública de Assistência Social vem sendo gestada e executada neste contexto e de que maneira este sistema pode contribuir para a construção de uma cidade mais sustentável e menos exposta ao risco de desastres socioambientais#. A opção metodológica para coleta de dados foi uma abordagem plural, situando-se na aplicação de entrevistas semiestruturadas, questionários, observação participante, visitas a campo, dentre outros instrumentos. A partir de estudos já realizados (pesquisa bibliográfica e documental) e da coleta de dados, pode-se constatar que a forma como o sistema de gestão de risco de Blumenau está sendo conduzido vem contribuindo para a ampliação dos desastres na região. A ausência de um planejamento integrado e participativo reflete-se na fragmentação das ações, na ausência de interdisciplinaridade e descompasso entre gestores, técnicos e grupos afetados. As ações governamentais restringem-se basicamente ao investimento em obras de contenção e recuperação pós-desastre, não havendo uma preocupação com o modelo de desenvolvimento adotado na região, que impulsiona e intensifica os fenômenos. O estudo identificou também uma profunda desarticulação dos órgãos responsáveis pela gestão (que se encontra centrada em alguns gestores e vereadores locais), tornando as ações centralizadas e verticalizadas, não havendo participação popular em todo o processo. Os afetados ficaram de fora do processo decisório e tiveram que lutar para conseguir este direito. Um reflexo disso foi a formação do MAD - Movimento dos Atingidos pelos Desastres, que se organizou para fazer frente às ações governamentais. Longe de apontar soluções para estes impasses, o presente estudo sugere a perspectiva do ecodesenvolvimento, vista como forma de se construir uma sociedade mais sustentável do ponto de vista ecológico e social Argumenta-se ainda, que a política de assistência social tem um importante papel a desenvolver junto aos Centros de Referência de Assistência Social, através da educação ambiental, na busca por uma mudança na cultura política e de risco local, que a longo prazo possa contribuir para uma mudança paradigmática. O ecodesenvolvimento é um modelo de desenvolvimento sustentável que deve iniciar-se no âmbito local, através de ações que envolvam as populações e respeitem a democracia participativa. É neste sentido que se acredita que um novo caminho ainda é possível.
Description: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política
URI: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/99485
Date: 2012


Files in this item

Files Size Format View
309487.pdf 3.683Mb PDF Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Browse

My Account

Statistics

Compartilhar