Tolerância religiosa em Palhoça (1889-1910)

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Tolerância religiosa em Palhoça (1889-1910)

Mostrar registro completo

Título: Tolerância religiosa em Palhoça (1889-1910)
Autor: Lemos, Sérgio
Resumo: O presente trabalho analisa a questão da tolerância religiosa em Palhaça no ocaso do Império e início da República, por meio de atos perpetrados pelos agentes do novo regime político (republicano) com o escopo de tornar o Estado laico. Visamos discutir tais atos e seus reflexos na realidade local de Palhoça, especialmente sobre a comunicante luterana da época. Percebeu-se que os conflitos e discussões de valores de natureza ética religiosa, ou melhor, a questão da tolerância religiosa foi conjecturada objetivando abarcar as necessidades práticas frente à nova realidade política e econômica, e não de sentimentos de tolerância. As distorções sociais persistiram em decorrência das negociações do Estado e da Igreja Católica. O regime republicano ao garantir o Estado laico e o reconhecimento da personalidade jurídica das diferentes religiões criou um amplo espaço relacional com as mesmas, oportunizando alianças e negociações, garantindo sua própria existência. Dessa forma, o fim do padroado não alterou de imediato a realidade local vivida pelos luteranos em Palhoça do início da República, em que pese continuar a manutenção do cemitério ser da Igreja Católica, persistindo a separação, a cerca, distinguindo o cemitério dos mortos que professavam a fé católica dos que professavam a fé luterana. Foi uma transformação gradual e lenta.
Descrição: TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. História.
URI: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/179294
Data: 2015-07-07


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
TCC_2015_05_24.pdf 566.4Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar