Uso de microhabitats por imaturos de Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera em riachos de clima subtropical

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Uso de microhabitats por imaturos de Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera em riachos de clima subtropical

Mostrar registro completo

Título: Uso de microhabitats por imaturos de Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera em riachos de clima subtropical
Autor: Schmitt, Rafael
Resumo: Ao longo de um ambiente aquático há diferentes microhabitats, ambientes com características particulares que direcionam o estabelecimento da fauna. Dentre a comunidade de insetos associadas a esses ambientes, Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera (EPT) são os que apresentam maiores especificidades com relação ao habitat, sendo constituídos por numerosos grupos taxonômicos, cada um com suas particularidades e são considerados bons indicadores da qualidade do ambiente. Diante disso, o objetivo do presente estudo foi avaliar a diversidade e associação dos insetos aquáticos (EPT) aos microhabitats em riachos subtropicais. O estudo foi desenvolvido no Parque Municipal da Lagoa do Peri e a amostragem dos organismos foi realizada durante o inverno de 2011 e verão de 2012. Os insetos foram amostrados nos quatro tipos de microhabitats predominantes, Pedra/Corredeira, Folha/Corredeira, Folha/Remanso e Pedra/Remanso, localizados em seis riachos de baixa ordem em duas microbacias (Cachoeira Grande e Ribeirão Grande) com distintos estádios de integridade da vegetação ripária. Em cada um dos pontos amostrados foram mensuradas as variáveis da água, assim como matéria orgânica retida. Dos 2574 imaturos de EPT identificados, a ordem Ephemeroptera foi a mais abundante, seguida por Trichoptera e Plecoptera. A estrutura da comunidade apresentou variação significativa quanto a sua composição taxonômica tanto para escala temporal quanto espacial, sendo similares entre as microbacias e as diferentes ordens dos riachos. A maior abundância de organismos foi observada na microbacia do Ribeirão Grande e pode ser reflexo das características do entorno. Os grupos alimentares funcionais (GAFs) apresentaram variação significativa apenas na escala de microhabitat. As diferenças com relação à abundância dos mesmos durante o período de estudo são reflexos da disponibilidade de detritos no sistema, a qual é direcionada pela sazonalidade ambiental, como precipitação e temperatura. Além disso, os GAFs apresentaram distribuição condizente nos microhabitats de acordo com a preferência alimentar.
Descrição: TCC(graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências Biológicas. Biologia.
URI: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/175030
Data: 2016-07-01


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
TCC Rafael Schmitt.pdf 1.408Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar