Inversão sexual em jundiá Rhamdia quelen (Quoy & Gaimard, 1824): masculinização com 17a-metiltestosterona e feminilização indireta

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Inversão sexual em jundiá Rhamdia quelen (Quoy & Gaimard, 1824): masculinização com 17a-metiltestosterona e feminilização indireta

Mostrar registro completo

Título: Inversão sexual em jundiá Rhamdia quelen (Quoy & Gaimard, 1824): masculinização com 17a-metiltestosterona e feminilização indireta
Autor: Weiss, Luciano Augusto
Resumo: O cultivo monosexo feminino pode aumentar a produtividade do jundiá Rhamdia quelen, tendo em vista o maior crescimento das fêmeas e a maturação precoce dos machos desta espécie durante o ciclo de produção. Quando se pretende produzir um lote monosexo, a inversão sexual, de forma direta ou indireta, é uma ferramenta amplamente difundida na piscicultura. A inversão sexual em peixes pode ser induzida de forma direta através da administração de hormônios, porém o uso de esteroides evoca controvérsias relacionadas ao desenvolvimento dos peixes, à saúde humana e aos possíveis danos ao meio ambiente. Por outro lado, progênies femininas podem ser geradas através da inversão sexual indireta, envolvendo inicialmente a masculinização das fêmeas genotípicas para originar reprodutores neomachos, que são capazes de gerar descendências femininas livres da adição exógena de hormônio ao serem cruzados com fêmeas normais (fêmeas fenotípicas e genotípicas). Desta forma, o objetivo deste estudo foi aplicar a técnica de inversão sexual indireta em R. quelen, masculinizando inicialmente as fêmeas normais com 17a-metiltestosterona (MT) por via oral para posterior identificação dos neomachos através das técnicas histológicas e realização de testes de progênie. Após o ensaio masculinizante verificou-se através de histologia que a administração oral de MT foi eficaz para masculinizar fêmeas normais de R. quelen. Com a realização dos testes de progênie foram identificados três neomachos, os quais estavam maduros a partir dos oito meses de vida e geraram progênies compostas, em média (± dp), por 80,06 ± 7,46% de fêmeas.<br>Abstract : Female monosex culture can improve the productivity of jundiá Rhamdia quelen due to the higher growth of females and early maturation of males during the production cycle. When the production of a monosex group of fish it is intended, direct or indirect sex reversal is a widespread tool used in fish farming. Although the sex reversal in fish is normally induced directly by the administration of hormones, the use of steroid evokes controversy regarding fish development, human health and potential damage to the environment. On the other hand, hormone-free female progeny can be generated by indirect sex reversal, which initially involves the masculinization of females to yield neomales breeders that are able to produce all-female offspring when crossed with normal females (phenotypic and genotypic female). Thus, the aim of this study was to apply the indirect sex reversal technique in R. quelen to obtain hormone-free female progeny through the masculinization of normal females with 17a-methyltestosterone (MT) incorporated into feed and further identification of neomales by using histological techniques and progeny tests. In the masculinizing trial the administration of MT into feed was effective to induce masculinization in normal R. quelen females. The progeny tests identified three neomales, which were ripe at eight months and generated progeny composed, on average (± sd), by 80,06 ± 7,46% of females.
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Gradução em Aquicultura, Florianópolis, 2016.
URI: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/167769
Data: 2016


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
340704.pdf 3.745Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar