A Perspectiva das lideranças políticas do planalto norte catarinense sobre a (in)visibilidade da participação política das mulheres

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

A Perspectiva das lideranças políticas do planalto norte catarinense sobre a (in)visibilidade da participação política das mulheres

Mostrar registro completo

Título: A Perspectiva das lideranças políticas do planalto norte catarinense sobre a (in)visibilidade da participação política das mulheres
Autor: Moutinho, Zaira Anislen Ferreira
Resumo: Diferentes perspectivas sobre a participação política das mulheres são colocadas em evidência nesse trabalho. Por um lado, as lideranças femininas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no Planalto Norte Catarinense (MST-PN), à Associação de Pequenos Grupos Agroecológicos de Canoinhas e Região (AGRUPAR) e à Associação Comunitária da Campininha (ACC). Por outro, as lideranças masculinas ligadas ao Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura Familiar do Planalto Norte Catarinense (SINTRAF- PN), os representantes do poder público ligados ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - regional Santa Catarina (INCRA-SC), ao Programa Territórios Rurais e ao poder público municipal. Foi possível perceber que as lideranças femininas do MST e AGRUPAR se reportam a estrutura interna das famílias agricultoras familiares como limitadora para o ativismo político das mulheres na macropolítica. Dessa maneira, elas apontam as responsabilidades do trabalho (reprodutivo e produtivo) no interior das propriedades e a conseqüente dificuldade para as mulheres se ausentarem de casa e falta de tempo. Entre as lideranças da ACC as falas sobre as dificuldades de participação recaem sobre a cultura das mulheres caboclas e indica a existência de um conflito entre as mulheres caboclas e as descendentes de Ucranianos, Poloneses e Alemães. Quando comparamos as perspectivas das lideranças femininas (AGRUPAR e MST) e das lideranças masculinas ligadas ao SINTRAF-PN, percebemos um distanciamento, pois os últimos resgatam os elementos da Guerra do Contestado e das políticas públicas que beneficiam as mulheres no espaço rural para explicar a pouca participação das mulheres. No entanto, a perspectiva dos entrevistados representantes do Poder Público Federal, se aproxima das falas das lideranças femininas, pois consideram a estrutura familiar como impedimento para a participação das mulheres. Também buscou-se colocar em evidência as microexperiências protagonizadas por mulheres no espaço rural do Planalto Norte e suas contribuições: a AGRUPAR constitui um pequeno núcleo de famílias coordenado por mulheres, que optaram, na década de 80, por abandonar a fumicultura e fazer a transição da propriedade para a produção o agroecológica, contribuindo com a disseminação de alternativas de renda e produção agroecológica no Planalto Norte. Também a ACC é uma organização comunitária com protagonismo das mulheres. Essa associação tem sua história ligada ao conflito entre famílias agricultoras da comunidade e o exército pela disputa da área chamada "Campo da Cruz". Com base nas falas das lideranças femininas sobre as dificuldades de participar da macropolítica e sobre as microexperiências que lideram, concluímos que o protagonismo político das mulheres nos pequenos grupos, associações e no interior dos assentamentos e acampamentos do MST se constitui como uma estratégia encontrada pelas mulheres para exercerem sua ação política sem entrar em conflito com o papel social que desempenham no interior das famílias da agricultura familiar.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-graduação em Agroecossistemas, Florianópolis, 2010
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/103245
Data: 2013-07-16


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
289367.pdf 1.955Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar