Óxido nítrico e glicocorticóides: interação na sepse e na inflamação

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Óxido nítrico e glicocorticóides: interação na sepse e na inflamação

Mostrar registro completo

Título: Óxido nítrico e glicocorticóides: interação na sepse e na inflamação
Autor: Duma, Danielle
Resumo: Avaliamos a relação entre o aumento do [óxido nítrico] (NO) e a incapacidade dos glicocorticóides (GC) de conterem o desenvolvimento da [resposta inflamatória sistêmica] em animais endotoxêmicos. Observamos que: i) o tratamento de animais com endotoxina (LPS) aumentou os níveis de NOS e diminuiu a capacidade de ligação dos [receptores de glicocorticóides] (GR) em vários órgãos do rato, oito horas após a injeção de LPS; ii) o tratamento de ratos com o inibidor da NOS (nitro-arginina metil éster, L-NAME) durante o desenvolvimento do choque endotoxêmico preveniu a inibição da capacidade de ligação do GR e iii) um doador de NO (S-nitroso-N-acetil-DL-penicilamina, SNAP) injetado previamente em animais tratados com dexametasona e injetados com LPS, interferiu com ações anti-inflamatórias e imunossupressoras da dexametasona. Sabendo da afinidade do NO por sulfidrilas livres presentes em vários alvos protéicos e com base nos nossos resultados, sugerimos que o aumento da produção de NO na endotoxemia seja um dos possíveis mecanismos responsáveis pela redução da capacidade de ligação e funcionalidade do GR, talvez pela interação do NO com sulfidrilas críticas ao funcionamento do GR, via S-nitrosilação. Investigamos também se o NO liberado precocemente após um estímulo inflamatório poderia interferir com reações inflamatórias e cardiovasculares desenvolvidas em quadros de sepse. A supressão da liberação precoce de NO nos modelos experimentais LPS e CLP (ligadura e perfuração do ceco), pelo tratamento dos animais com o inibidor seletivo para [óxido nítrico sintase neuronal] (nNOS) 7-nitroindazol (7-NI) impediu o aparecimento da resposta inflamatória e da hiporresponsividade vasoconstritora à fenilefrina, mostrando que o NO liberado inicialmente pela enzima nNOS é importante na iniciação e perpetuação da resposta inflamatória sistêmica. Considerando que o NO causa inibição da capacidade de ligação do GR (quando produzido em maiores quantidades) e que a ativação da nNOS (liberando pequenas quantidades de NO) é um evento importante para o início da resposta inflamatória, sugerimos que o NO modula a resposta inflamatória sistêmica, ativando-a e diminuindo-a em momentos distintos do seu desenvolvimento.
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Farmacologia.
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102761
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
222153.pdf 537.0Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar