O câncer de boca e de faringe no Brasil: tendências e padrões regionais de mortalidade entre 1979 e 2002

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

O câncer de boca e de faringe no Brasil: tendências e padrões regionais de mortalidade entre 1979 e 2002

Mostrar registro completo

Título: O câncer de boca e de faringe no Brasil: tendências e padrões regionais de mortalidade entre 1979 e 2002
Autor: Boing, Antonio Fernando
Resumo: Os cânceres de boca e de faringe configuram-se como importante problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Além de apresentarem significativas taxas de incidência e de mortalidade, os custos de seus tratamentos oneram substancialmente o serviço público de saúde e as conseqüências destes agravos podem ser devastadoras para o paciente. O presente estudo investigou a tendência temporal da mortalidade por câncer de boca e de faringe no Brasil entre 1979 e 2002. Os dados sobre mortalidade foram obtidos junto ao Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/MS) e discriminados por sexo, faixa etária, sítio anatômico e região de residência. Os dados populacionais são oriundos dos censos de 1980, 1991 e 2000, da contagem populacional de 1996 e de estimativas intercensitárias para os demais anos. As taxas de mortalidade foram padronizadas por sexo e faixa etária e as tendências de câncer de boca (CID9, 140.0-145.9; CID10, C00.0-C8.9) e câncer de faringe (CID9, 146.0-149.9; CID10 C09-C14.8) foram analisadas para cada sexo e região do Brasil. Procedeu-se também a análise segundo os sítios anatômicos específicos para o país como um todo. Durante o período analisado os óbitos por câncer de boca e faringe corresponderam, respectivamente, a 1,80% e 1,89% do total de mortes por neoplasias no Brasil. A relação entre as taxas do sexo masculino e feminino foi de 4:1 no câncer de boca e 6:1 no câncer de faringe. Câncer em localizações mal definidas ou não especificadas correspondeu a mais de ¼ do total de óbitos. A mortalidade por câncer de boca manteve-se estável entre 1979 e 2002 para ambos os sexos no Brasil como um todo, sendo ascendente apenas nas regiões sul e nordeste. A tendência do câncer de faringe foi de ascensão em ambos os sexos e em todas as regiões do país. As localizações topográficas lábio, língua, gengiva, assoalho da boca, palato, outras partes da boca e amídalas apresentaram redução estatisticamente significante no período; as taxas de câncer de orofaringe, hipofaringe e localizações mal definidas e não especificadas do lábio, cavidade oral e faringe ascenderam; já de glândulas salivares, nasofaringe e seio piriforme mantiveram-se estáveis. As taxas de mortalidade, tanto por câncer de boca quanto de faringe, foram maiores nas regiões sul e sudeste em relação ao norte, nordeste e centro-oeste. As diferenças entre as regiões e durante o período investigado quanto ao sistema de registro dos óbitos, à exposição aos fatores de risco e ao acesso ao diagnóstico e tratamento podem explicar as diferenças espaciais e temporais na mortalidade por câncer de boca e faringe. A redução mais acentuada na mortalidade por câncer de lábio e gengiva e entre as localizações anatômicas de mais fácil inspeção clínica sugere uma possível associação entre maior oferta de serviços de saúde e menor taxa de mortalidade por câncer de boca e faringe no Brasil.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública.
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102741
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
213445.pdf 635.6Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar