Um processo de despertar o poder de agenciar o autocuidado em clientes com dor crônica na perspectiva oriental de saúde: uma pesquisa cuidado em enfermagem

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Um processo de despertar o poder de agenciar o autocuidado em clientes com dor crônica na perspectiva oriental de saúde: uma pesquisa cuidado em enfermagem

Mostrar registro completo

Título: Um processo de despertar o poder de agenciar o autocuidado em clientes com dor crônica na perspectiva oriental de saúde: uma pesquisa cuidado em enfermagem
Autor: Wink, Solange
Resumo: O objetivo desta Pesquisa-Cuidado foi o de despertar o poder para o autocuidado (self-care agency) em clientes com dor crônica, através de experiências vivenciadas em um processo de cuidar desenvolvido individualmente e em grupo. O referencial teórico-metodológico foi fundamentado em Orem, Neves e na Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Empregou-se uma tecnologia de cuidado que englobou a habilidade de focalização, a acupuntura, o auto-registro em Diário e a habilidade e competência da enfermeira pesquisadora (nursing agency). Na abordagem da MTC a dor é percebida como uma obstrução ao livre fluxo da energia vital pelo corpo e tem como uma de suas causas os sentimentos. Foram cuidadas cinco mulheres, com faixa etária entre 40 e 50 anos, com casamento estável, com queixa de dor crônica há mais de um ano e que aceitaram o desafio de buscar uma forma diferente de cuidar da dor. Os dados da pesquisa se constituem de expressões verbais e escritas que foram produzidas nos encontros vivenciais individuais e de grupo e os registros no Diário. A análise dos dados teve como objetivo identificar a intensidade da dor e descrever qualitativamente os sentimentos expressos e a estrutura cognitiva referente à saúde que é indicativo do poder do cliente de agenciar o autocuidado. Também foram analisadas as expressões da enfermeira pesquisadora referente ao processo de cuidar. Quatro participantes referiram diminuição na intensidade da dor, expressa na Escala numérica visual, entre o primeiro e o último encontro. Observou-se inicialmente uma relação entre níveis quantitativos de dor e a percepção de sentimentos desagradáveis. À medida que houve diminuição nos níveis de dor notou-se uma modificação no padrão de sentimentos expressos, o que evidenciou uma relação entre estrutura cognitiva, poder de agenciar o autocuidado e dor. O processo de cuidar revelou categorias que englobam aspectos éticos e espirituais, vivenciais e práticos da tecnologia de cuidado aplicada e permitiu a avaliação do poder da enfermeira de agenciar o autocuidado. O trabalho foi desenvolvido em 16 encontros de grupo e em 16 a 32 encontros individuais por participante, ao longo de um período de cinco meses, de junho a outubro de 2005. Os dados obtidos através dos encontros grupais, individuais, Diários e notas de campo foram analisados. Serviram como fonte de pesquisa os dados relativos a uma reunião de grupo a cada três realizadas, totalizando seis reuniões e os dados dos encontros individuais e Diários em datas coincidentes com as reuniões de grupo. A complexidade e a profundidade do trabalho desenvolvido demonstraram a necessidade da (o) enfermeira (o) ser um especialista na tecnologia de cuidado proposta e na relação interpessoal para adesão a uma prática que envolva comprometimento com a perspectiva de cuidado aqui apresentada.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102287
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
225404.pdf 2.345Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar