Loucura e complexidade na clínica do quotidiano

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Loucura e complexidade na clínica do quotidiano

Mostrar registro completo

Título: Loucura e complexidade na clínica do quotidiano
Autor: Prandoni, Raul Fernando Sotelo
Resumo: Loucura e Complexidade na Clinica do Quotidiano pretende ser a expressão concreta de uma realidade institucional em processo de mudança com as contradições que lhe são inerentes e, ao mesmo tempo, para dar respostas a questão norteadora e sustentação a Tese que desenvolvo neste estudo: uma das possibilidades para a condução à humanização da loucura é a reflexão de uma abordagem antimanicomial aderente a nova compreensão do sofredor psíquico como sujeito complexo e subjetivo em si próprio. Para tal, tomo como ponto de partida os seguintes aspectos: o novo paradigma da saúde mental; o desafio de uma clinica do quotidiano promotora de autonomia e liberdade; os princípios de direitos humanos construtores de cidadania e as contradições que se estabelecem no ato de cuidado em saúde mental envolvendo o trabalhador de saúde mental, sofredor psíquico e seus familiares. Este trabalho está sustentado na obra de Michel Foucault cujos estudos retratam a historia da apropriação da loucura pelo saber médico e seu lugar de tratamento - o hospício, laboratório do poder/saber. Realizo uma pesquisa qualitativa, sendo o método de produção de dados a entrevista semi-estruturada e a análise dos dados obtidos nas entrevistas está centrada no método Arqueológico ou Analítica Interpretativa. Surgiram a partir das regularidades enunciativas três grandes temas, ou seja, dos enunciados de análise. Como enunciados de análise me refiro àqueles pontos centrais que emergiram dos discursos dos sujeitos da pesquisa os quais denominei de: 1) As atividades humanas que tornam possíveis suas próprias disciplinas. 2) Clínica do Quotidiano: um pro-jeto. 3) A Reforma Psiquiátrica possível e situada. Neste sentido, observa-se que mudanças de concepções são gradativas e, o ponto de partida, somos todos nós, trabalhadores, usuários e familiares. É preciso uma compreensão diferenciada sobre as novas ações em saúde mental. A nova lógica proposta pela Política de Saúde Mental; a integração de alguns projetos unindo as ações de saúde e saúde mental; a criação de espaços férteis na conquista da reabilitação em saúde mental e a qualidade na troca de informações entre os trabalhadores de saúde mental são pontos chaves para o avanço e consolidação desse novo modelo.
Descrição: Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/101982
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
226886.pdf 890.5Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar