Analisando os determinantes macroeconômicos do spread bancário na América Latina: um estudo de dados em painel

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Analisando os determinantes macroeconômicos do spread bancário na América Latina: um estudo de dados em painel

Mostrar registro completo

Título: Analisando os determinantes macroeconômicos do spread bancário na América Latina: um estudo de dados em painel
Autor: Tuon, Rimenez
Resumo: O presente trabalho tem como objetivo principal, encontrar os determinantes macroeconômicos do spread bancário na América Latina, entre os anos de 1995 e 2004, considerando-se uma amostra de seis países, composta por Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru. Procedeu-se a um diagnóstico da situação do spread bancário para os países selecionados, observando-se que, na última década, todos os países apresentaram uma redução do nível do spread bancário. Em termos médios, conclui-se que o Brasil é o país Latino-americano com maior spread bancário (em torno dos 46% ao ano), seguido de Peru, México, Colômbia, Argentina e, por fim, o Chile (com o menor spread: 4,32% ao ano). Partindo do resultado apresentado pelo modelo de Barajas, Steiner e Salazar (1999), propõe-se um novo modelo que tem como objetivo avaliar, através da técnica econométrica de dados em painel, os principais determinantes do spread bancário na América Latina, fazendo uso de dados trimestrais fornecidos pelo International Finance Statistic entre os anos de 1995 e 2004. Com base nos resultados dos testes de Breusch e Pagan (1979) e de Moulton e Randolph (1989), utiliza-se um modelo painel com efeitos fixos. Na análise econométrica, são consideradas como variáveis explicativas para o spread, a taxa de inflação, medida pela variação do índice de preço ao consumidor, o crescimento do PIB, o total dos depósitos do setor privado junto aos bancos e o déficit do governo ambos como proporção do PIB, a taxa básica de juros, a volatilidade da taxa básica de juros, sendo está uma proxy para a estabilidade macroeconômica, além de uma variável dummy que procura avaliar os efeitos das mudanças dos regimes cambiais, nos países analisados sobre o spread.O modelo proposto permitiu concluir que a taxa de juros básica da economia, tem um efeito positivo sobre o spread bancário, representando para o banco o custo de oportunidade de direcionar créditos ao setor privado. O crescimento da economia também tende a elevar o spread bancário, tendo em vista o aumento da demanda por crédito. O volume de depósitos está inversamente associados ao spread, devido à possibilidade de maior oferta de recursos. Tanto a inflação quanto o déficit do governo estão inversamente relacionados ao spread, sendo este efeito atribuído aos impactos que estas variáveis têm sobre a liquidez do sistema financeiro. Conclui-se que a redução do spread bancário só será possível com a diminuição da instabilidade macroeconômica, com a diminuição das taxas básicas de juros, com o desenvolvimento de mecanismos institucionais que visem a dar mais proteção aos credores, com a busca de uma maior eficiência, bem como de um aumento da concorrência do setor bancário.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico. Programa de Pós-Graduação em Economia.
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/101873
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
222259.pdf 642.5Kb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar