Caracterização pedoestratigráfica de depósitos de encosta e de vale, localidade de Cerro de Touro, Campo Alegre, Estado de Santa Catarina: [dissertação]

Repositório institucional da UFSC

A- A A+

Caracterização pedoestratigráfica de depósitos de encosta e de vale, localidade de Cerro de Touro, Campo Alegre, Estado de Santa Catarina: [dissertação]

Mostrar registro completo

Título: Caracterização pedoestratigráfica de depósitos de encosta e de vale, localidade de Cerro de Touro, Campo Alegre, Estado de Santa Catarina: [dissertação]
Autor: Lima, Gisele Leite de
Resumo: A localidade de Cerro do Touro, sul do município de Campo Alegre, extremo norte do estado de Santa Catarina, está inserida em área de cabeceira de vale. A área consiste de vale tributário bastante dissecado, com canal de primeira ordem, escalonado em compartimento topográfico de origem estrutural, que criou nível de base local, a montante do qual o vale foi entulhado por aluviões. A montante deste vale de primeira ordem, as cabeceiras se estendem até setores topograficamente elevados das colinas que delimitam a bacia. Os estudos na área iniciaram-se em 1997, nos setores de encosta, próximos aos divisores de água, sendo abordados no contexto das cabeceiras de vale: áreas nas quais haveria a possibilidade de se encontrar registros quaternários passíveis de interpretação paleoambiental. As áreas de cabeceira de vale além de auxiliarem a caracterização paleoambiental, através de seqüências deposicionais preservadas, possibilitam a observação dos principais processos hidrológicos relacionados à formação de fluxos de água passíveis de contribuir para o escoamento canalizado. Desta forma, este trabalho teve como objetivo principal, a expansão da pesquisa para o ambiente fluvial com a finalidade de: definir a dinâmica dos processos de articulação entre cabeceira de vale e calha fluvial na localidade do Cerro do Touro nos últimos 20.000 anos, pelo menos, oferecendo subsídios para a compreensão da influência das mudanças climáticas globais sobre as mudanças ambientais locais. Para alcançar o objetivo proposto foram levantadas seções estratigráficas nas áreas de encosta e na área do terraço aluvial. Amostras das unidades individualizadas nestas seções foram submetidas a analises mecânicas e químicas e amostras selecionadas foram submetidas à análise de datação absoluta. Por tratar-se de vale bastante dissecado, não foram identificados na área depósitos preservados nas proximidades da cabeceira do canal de primeira ordem. Consequentemente, a área não contém registro que possibilite avaliar diretamente a dinâmica deposicional neste setor específico de transição entre encostas e vales, característico do ambiente de cabeceiras de vale. Desta forma, sendo a definição da dinâmica dos processos de articulação entre cabeceira de vale e calha fluvial na localidade do Cerro do Touro o principal objetivo deste trabalho, optou-se por abordar o problema de acordo com plano de pesquisa segundo o qual a interpretação das seqüências deposicionais de encosta é cotejada com a interpretação da seqüência de vale. Sendo a eventual articulação deduzida dos resultados globais obtidos.
Descrição: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Geografia
URI: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/101774
Data: 2005


Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização
223265.pdf 2.551Mb PDF Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro completo

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta

Estatística

Compartilhar